sábado, 4 de junho de 2011

vigésimo primeiro capitulo.


                                           O filho de Tomás.

  Umas semanas se passaram e Sofia sentia a obrigação de contar a seu namorado que ele seria papai, mesmo não sendo a verdade, o objetivo era se livrar da culpa e não perder tudo que tinha, não vou dizer conquistado porque isso não foi merecido e ela só chegou lá com mentiras.
  Eles se vestiam para dormi e Sofia ao sair do banheiro diz para Tomás:
- eu tenho algo para te contar. – ela sorriu e só um burro não veria o quão falso aquilo foi.
- conte-me – disse o rapaz se deitando.
- bom eu esperei um tempo para ter certeza, não queria lhe dar falsas esperanças  – ela parou e voltou o olhar para ele para ser o mais real possível – meu amor, você será papai.
Tomás ficou branco, por um minuto ela pensou que ele iria desmaiar mas então ele voltou a si e pareceu pensativo, como nunca.
- quando isso aconteceu ?
- eu acho que estou de um mês.
- isso é completamente inesperado Sofi, quero dizer é bom, mas não é o que eu queria agora, sabe.
Sofia abaixou a cabeça e se deitou sem olhar para ele, ela não chorou de se acabar mas lagrimas caiam do seu rosto, o que partia o coração de qualquer um então o jovem, ouvindo o chorinho, chegou perto da moça, colocou a mão em seu rosto e olhando ternamente para ela:
- essa criança vai viver cercada de amor, eu vou me dobrar em mil para lhe dar do bom e do melhor.
Sofia sorriu e abraçou-o, era isso que ela queria mas e quando a criança nascesse, teria que parecer algo com ele, mas isso seria impossível. Uma parte já estava feita mas, e se ela abortasse e dissesse que perdeu espontaneamente, esse pensamento passou rapidamente em sua cabeça, ela poderia ser o que fosse mas matar uma criança, jamais faria. O jeito era deixa essa água correr debaixo dessa ponte e veria o que aconteceria mais tarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário